O Realismo de Machado de Assis e o Naturalismo de Aluísio de Azevedo como inspiração

Alunos do 2º MSI elaboraram, no ano de 2019, maquetes, músicas, teatro a partir das obras "Dom Casmurro", "O Alienista" e o "Cortiço". As apresentações das obras ficaram muito bonitas e sintetizaram criativamente a leitura e entendimento dos alunos.



João Maria Machado de Assis (1839-1908) teve uma infância tão difícil quanto qualquer outro menino pobre e mulato do Rio de Janeiro nos idos de 1840. Era também gago e epilético. Aos 29 anos, casou-se com Carolina, imortalizada em versos.


Intelectual respeitado e influente, em seus 69 anos de vida, nunca se afastou muito do Rio de Janeiro. Criou uma obra que retrata com perfeição a sociedade brasileira do Segundo Reinado. Fundou a Academia Brasileira de Letras, da qual foi aclamado presidente perpétuo.


Apresentação teatral: Capitu e Bentinho no consultório de uma psicóloga


Com Memórias póstumas de Brás cubas, Machado de Assis profetiza a construção de um Realismo diferente daquele que surgiu com Flaubert e chegou ao Brasil com os romances de Eça de Queirós. Como avisou no prólogo, seu livro "é taça que pode ter lavores de igual escola, mas leva outro vinho".



Desenhos elaborados após a leitura do conto "A Cartomante" de Machado de Assis



Os primeiros romances

A carreira de Machado como escritor costuma ser dividida em duas fases, determinadas a partir da natureza dos romances que criou. A primeira mostra um autor cuja genialidade já começa a aparecer. Fazem parte dessa fase Ressurreição (1872), A mão e a luva (1874), Helena (1876) e Iaiá Garcia (1878).


Essas obras, apesar de marcadas por traços claramente românticos, traduzem a preocupação do escritor com a questão da ascensão social. As histórias de amor envolvem sempre dinheiro, família e casamento e apresentam a estrutura das narrativas românticas, com princípio, meio e fim, construídas com o objetivo de provocar surpresa e emoção. essa estrutura demonstra uma intenção evidente de provocar surpresa e emoção. Essa estrutura demonstra uma intenção evidente de divertir e moralizar, muito presa à forma imposta pelo folhetim.




Romances realistas: melancolia e sarcasmo


A obra da segunda fase machadiana é composta pelos romances Memórias póstumas de Brás Cubas (1881), Quincas Borba (1891), Dom Casmurro (1899), Esaú e Jacó (1904) e Memorial de Aires (1908). A trama de todos desenvolve-se durante o Segundo Reinado, tendo como cenário a cidade do Rio de Janeiro, capital do Império.


Os romances da segunda fase machadiana concentram-se na falsidade da vida depois do casamento, marcado pela traição. A insistência nesse tema parece ter origem no pessimismo do autor, que vê as relações humanas sempre motivadas por interesse. Tal visão faz com que as personagens, reflexo das camadas dominantes, busquem o proveito próprio, sem espaço para as ações desinteressadas.




Machado era um leitor apaixonado. Embora tenha como outros romancistas de seu tempo, lido os franceses (Victor Hugo, Chateaubriand, Stendhal, Xavier de Maistre, etc), sua prosa mostra forte influência dos autores ingleses, como Laurence Stern, Shakeaspeare, Thackeray, Jonathan Swift e Dickens. Com eles, e Xavier de Maistre, desenvolveu agudo senso de humor e um olhar marcado pelo pessimismo.


Machado leu também muitos escritores brasileiros e portugueses do século XIX. Como crítico literário, produziu análises inteligentes de obras de Almeida Garret, Eça de Queirós, José de Alencar, Joaquim Manuel de Macedo, Bernardo Guimarães, Gonçalves Dias, Àlvares de Azevedo, Castro Alves e outros, mostrando profundo conhecimento da literatura em língua portuguesa.

Projeto Literário do Naturalismo

  • Literatura a serviço da Ciência;

  • Personagens tratadas com olhar científico;

  • Olhar racional e objetivo para a realidade.



Desenhos do conto "Conto de Escola" de Machado e "Aos 20 anos" de Aluísio de Azevedo



O Cortiço, A Cartomante e Conto de Escola


Determinismo: a visão que apresenta o ser humano como produto do meio em que se encontra, da herança (cultural, social, biológica) recebida e das condições históricas características do momento em que vive.


Aluísio de Azevedo (1857-1913) nasceu em São Luís do Maranhão e era filho do vice-cônsul português. Foi morar no Rio de Janeiro a convite do irmão, Arthur Azevedo, para trabalhar como caricaturista em jornais políticos da época. Com a morte do pai, regressou à terra natal e começou a escrever para a imprensa.


Em 1881, lançou seu primeiro romance, O Mulato. O livro foi mal recebido pela provinciana sociedade maranhense, mas agradou a corte. De volta ao Rio de Janeiro e enfrentando dificuldades econômicas, passou a escrever para sobreviver. Mais tarde deixou a carreira de escritor para ingressar na vida diplomática.

A Cartomante de Machado de Assis


Texto do Post do livro "Português -Contexto, interlocução e sentido" de Maria Luiza Abaurre, Maria Bernadete M. Abaurre e Marcela Pontara, 2013.


Veja os vídeos do canal "Arte e Educação" no You Tube:


1) Realismo



2) Naturalismo






8 visualizações

© 2023 por Amante de Livros. Orgulhosamente criado com Wix.com

  • White Facebook Icon
  • White Twitter Icon
  • Branco Ícone Google+