Paródia do João Flores

2° MSI A


José

E agora, José? O ano acabou, os amigos se foram, a família sumiu, o tempo esfriou, e agora, José? e agora, você? você que é solitário, que importuna dos outros, você que se corta, que ama, mas é rejeitado? e agora, José?



Está sem amigos, está sem nada, está sem amor, já não pode beber, já não pode fumar, sua droga já não consome, a noite chegou, e o cobertor não tens, o bonde passou, quem olhou tomou, apanhou e tudo acabou e tu fugiu e tu mofou, e agora, José?



E agora, José? Sua doce droga, seu instante de loucura, sua gula, sua mente, seu dinheiro, sua dignidade, sua vida, acabou — e agora?

Com a chave na mão quer abrir a porta, mas a porta errada; quer morrer, mas a corda rompeu; quer ir para o céu, céu já não há mais. José, e agora?



Se você clamasse, se você lamentasse, se você tatear, Sentiria Algo?, se você adormecesse, se você exaurir, Você Acordaria?... Mas você não morre, você é um lixo, José!



Sozinho no escuro que nem um condenado, sem sua família, sem parede para se encostar, sem comida sem esperança, Tudo por que não estudou, José! José, para onde?

5 visualizações

© 2023 por Amante de Livros. Orgulhosamente criado com Wix.com

  • White Facebook Icon
  • White Twitter Icon
  • Branco Ícone Google+